fbpx
Blog Cultura Cristã

Oito Resoluções

O Rev. Daniel Santos postou em seu blog dia 30.12.14 as Oito resoluções para 2015 que podem muito bem serem aplicadas por você em 2022, por isso repetimos aqui. São resoluções para o ano inteiro.

Há muitas coisas que aprendi com personagens e episódios bíblicos durante este ano de 2014 que eu gostaria que fizesse parte da minha vida a partir de 2015. Aproveito a ocasião de final de ano para transformar algumas delas em “resoluções para o ano novo”.

Primeira resolução

Não vou mais ouvir opiniões alheias até que eu saiba a fonte de tais opiniões.

Esta resolução eu aprendi com o exemplo de Adão e Eva no jardim do Éden. Qual o interesse daquela serpente nos detalhes daquilo que Deus tinha falado apenas com o ser humano? Por que a serpente estava tão interessada em ajudar Eva a “entender corretamente” aquilo que Deus falou? Há muitas ocasiões quando deveríamos nos perguntar: por que algumas pessoas estão demasiadamente interessadas em nos ajudar? Qual a fonte de tanta generosidade e interesse? A generosidade e o interesse daquela serpente no jardim do Éden representava uma tramoia muito maior, cuja origem estava diretamente ligada ao diabo. O fascínio da proposta de adquirir o conhecimento do bem e do mal precisava ter sido verificado melhor pelo primeiro casal. Semelhantemente, precisamos sempre nos perguntar sobre as fontes das opiniões que nos são oferecidas.

Segunda resolução

Não vou mais cooperar com projetos alheios cuja motivação não represente quem eu sou.

Esta resolução eu aprendi com o episódio da torre de Babel, como lemos em Gênesis 11. Numa geração cheia de controvérsias e polêmicas sobre tantos aspecto da vida, deveríamos desconfiar de projetos e empreendimentos onde todos estão falando a mesma língua e pensando a mesma coisa: “Eis que o povo é um, e todos têm a mesma linguagem” (Gn 11.6). Que coisa linda! Por que Deus teria interesse em destruir tal harmonia e cooperação? Segundo o relato de Gênesis, o motivo foi este: “Agora não haverá restrição para tudo que intentam fazer” (Gn 11.6). Deus não era contra a cooperação e a harmonia, mas sim com o resultado destas duas coisas: a falsa esperança de não haver restrição para o que podemos fazer. É nesse ponto que a motivação entra em cena. O convite para fazer parte do projeto da torre de Babel parecia promissor: “Vinde, edifiquemos para nós uma cidade e uma torre cujo topo chegue até aos céus e tornemos célebre o nosso nome, para que não sejamos espalhados por toda a terra!” (Gn 11.4) O “maravilhoso” projeto de Babel não compartilhava da mesma motivação do projeto de Deus para a criação. Por que uma torre para chegar até aos céus se Deus quer mesmo é habitar entre nós? Por que desejar ser celebridade vivendo numa cidade de celebridades? Numa cidade onde todos são “celebridades” ninguém será visto como “celebridade”. Da próxima vez que lhe convidarem para um projeto maravilhoso, pergunte a si mesmo: Aquilo que os motiva é aquilo que também me motiva? Eu quero ser aquilo que eles buscam ser?

Terceira resolução

Quero armar uma tenda fora do meu arraial.

Esta resolução aprendi com o exemplo de Moisés num momento tão tempestuoso e conturbado de sua liderança sobre o povo de Israel – logo após a construção e adoção do bezerro de ouro (Ex 33.7-11). Nesta ocasião lemos a respeito da sua decisão de tomar uma tenda destinada ao encontro com Deus e armá-la fora, bem longe do arraial. Ainda que a tenda estivesse aberta para todos os que desejassem comparecer na presença de Deus, somente Moisés fez uso desta oportunidade e explorou cada chance que teve para construir um relacionamento diferenciado e duradouro com Deus. O resultado deste esforço é surpreendente: “Deus falava com Moisés como um amigo fala com seu amigo” (Ex 33.11). A igreja evangélica brasileira precisa reaprender o valor do encontro individual com Deus numa era onde “encontro” geralmente significa “multidão reunida”. Um encontro individual requer uma “liturgia” pessoal que seja menos formal e mais íntima: sem frases de efeito, sem vãs repetições, sem palanques ou microfones; somente o coração contrito e aberto diante de Deus, construindo com lágrimas e gemidos um relacionamento face a face com ele. Moisés não queria iniciar uma reunião de oração ou um novo modelo de espiritualidade, mas apenas estar com Deus. Todos precisamos encontrar um local distante da nossa loucura diária para armar uma tenda para um encontro a sós com Deus e orar: “Abençoe-nos Senhor e nos guarde; faça resplandecer o teu rosto sobre nós e tenha misericórdia de nós; levante sobre nós o teu rosto e nos dê a paz” (Nm 6.24-26).

Quarta resolução

Quero definir de uma vez por todas meu ponto de contentamento.

Esta resolução aprendi com a declaração de Davi no salmo 23.1. Embora não apareça na maioria de nossas traduções em português, a confissão inicial do salmista pode ser traduzida da seguinte maneira: O Senhor é o meu pastor, logo, eu não sentirei falta de nada. Esta é a virtude que desejo cultivar: fazer com que o senhorio de Deus afete as coisas que eu desejo, que busco e me empenho diligentemente para adquirir. Com o tempo de vida que já vivi, e observando a vida dos que já viveram bem mais que eu, não seria um exagero dizer que Deus não está empenhado em nos ajudar conquistar tudo o que desejamos, mesmo porque parece não haver um limite para tudo aquilo que queremos. Isto tem me levado a perguntar: quanto do que tenho buscado conta com a cooperação de Deus e quanto tenho buscado por conta própria? O que consome a nossa alma não é o ter de aguardar até conseguir o que desejamos, mas sim a indefinição do que realmente pode nos proporcionar contentamento. Quem não sabe o que quer nunca encontrará o que quer.

Quinta Resolução

Preciso criar o hábito de caminhar e deixar a vida sedentária.

Esta resolução eu aprendi com personagens como Enoque, que ficou conhecido porque “andava com Deus e este o tomou para si” (Gn 5.24). Sim, eu estava me referindo a “exercitar-me” quando disse que precisava cultivar o hábito de caminhar, mas o motivo porque não desenvolvi este hábito até hoje talvez seja digno de nota. O ser humano não foi feito para caminhar simplesmente por caminhar; caminhamos para nos deslocarmos rumo a um destino. Há uma exceção quando o destino de nossa caminhada não é a coisa mais importante: quando caminhamos com alguém cuja companhia é digna do esforço. A saúde resultante de um estilo de vida ativo deve ser sempre um fator secundário; mais importante do que ser ativo é termos para a nossa caminhada uma razão digna do ar que respiramos. Desde o princípio Deus criou a rotina e “andar pelo jardim” na viração do dia, o que exigia de Adão e Eva o empenho de “andar com Deus” ouvindo o que ele tinha a falar. Semelhantemente, preciso valer as pernas com as quais Deus me criou, andando com ele ou por um motivo que leve pessoas a conhecê-lo.

Sexta resolução

Preciso cantar um novo cântico.

Esta resolução eu aprendi com o salmista no salmo 96. A vida cristã que devemos cultivar exige obviamente uma disciplina na repetição de certos valores que devem fazer parte de nossa caminhada. Todavia, a mesma disciplina que me auxilia a cultivar esta espiritualidade pode se tornar um obstáculo para continuar renovando meu repertório de respostas por todos os grandiosos atos de Deus. Um excelente “energético espiritual” para nossa vida cristã é dedicar um tempo para repensar e recriar nosso diálogo com Deus. Literalmente: precisamos orar novas orações, precisamos ouvir novos cânticos, precisamos cantar novos hinos, precisamos ler outros livros da Bíblia que ainda não têm nenhum verso sublinhado. Faça uma nova oração. Você já se pegou orando a mesma oração ano após ano, sem muita criatividade e inspiração para formular uma nova oração diante de Deus? Eis ai uma boa resolução de ano novo – orar uma nova oração. Nenhum de nós toleraríamos um amigo que sempre se aproximasse com as mesmas palavras, pedidos ou reclamações. Ora, o nosso Deus é um Deus pessoal e é digno de um relacionamento semelhante ao que Moisés teve com ele.

Sétima resolução

Preciso parar de espancar minha mula.

Esta resolução aprendi com o episódio de Balaão (Nm 22-23). Como já é do conhecimento de muitos, Balaão foi um profeta contratado por Balaque para amaldiçoar o povo de Israel quando este se aproximava da Terra Prometida. Balaão consultou a Deus sobre a viabilidade de tal projeto e a resposta foi clara: “Não irás com eles, nem amaldiçoarás o povo; porque é povo abençoado” (Nm 22.12). Como a contratação do referido serviço envolvia uma excelente compensação, e os enviados de Balaque insistiram demais, Balaão não conseguiu resistir à tentação e aceitou ir com os mensageiros de Balaque mesmo contra a vontade do Senhor. Resultado: No caminho para encontrar com Balaque o Senhor colocou um anjo no caminho com uma espada na mão, impedindo assim a passagem. O que me chama a atenção neste episódio é a cegueira que nasce em nossos olhos quando estamos resolvidos a fazer alguma coisa. É verdade que Balaão não podia ver o anjo (num primeiro momento), mas ele podia ver que sua mula tinha lhe carregado por tantos anos e nunca tinha agido daquela maneira. Cego por causa daquilo que estava resolvido a fazer, Balaão espanca sua mula por três vezes por achar que ela zombava dele. Há inúmeras circunstâncias quando agimos semelhantes a Balaão. Colocamos na cabeça que precisamos fazer algo e fechamos os olhos para as consequências que isto tem trazido para as pessoas que tem sido nosso apoio e suporte por tantos anos. “Espancar a mula” significa constranger outros a apoiar nossa loucura; significa julgar erroneamente os motivos porque algumas pessoas não querem mais prosseguir ao nosso lado. Há muitas decisões que tomamos que irão inevitavelmente comprometer a vida, o apoio, os recursos, o tempo e a saúde de pessoas que nos amam e já nos apoiaram por tanto tempo. Quando pessoas que nos apoiaram por tanto tempo resolvem “dar um tempo” e não mais nos acompanhar isso pode ser um sinal de que eles estão vendo obstáculos que o Senhor tem colocado em nosso caminho, os quais não conseguimos ver por causa da nossa própria cegueira.

Oitava resolução

Preciso me preparar mais para me encontrar com Cristo.

Esta resolução aprendi com o episódio de Ezequias quando o Senhor lhe mandou o profeta Isaías dizer: “Põe em ordem a tua casa, porque morrerás e não viverás” (Is 38.1). Eu gosto de viajar, de me preparar para longas viagens. Gosto igualmente de arrumar as malas; prever os dias e as tarefas com as quais estarei envolvido e, com base nisso, selecionar minhas roupas. Fico pensando nas coisas que eu faria se o profeta Isaías viesse até mim com a mesma mensagem. Com certeza há muita coisa que preciso colocar em ordem em minha casa, em minha vida, mas incapacidade de prever e mensurar quanto tempo “estarei fora” (toda a eternidade adiante) acaba me causando um bloqueio para tomar qualquer iniciativa de preparo. Preparar-se para encontrar com Cristo e viver com ele para sempre é bem diferente de se preparar para uma viagem, pois isto requer de nós não que tragamos tudo o que podemos precisar, mas sim que deixemos tudo o que não iremos mais precisar. Quando arrumamos malas, nosso raciocínio é geralmente este: na dúvida é melhor levar. Quando arrumamos nossas vidas para nos encontrar com Deus, nosso raciocínio deve ser: na dúvida, é melhor deixar. Ezequias pelo menos teve o aviso do momento quando deveria começar arrumar a sua vida para morrer. Eu preciso estar sempre pronto. Que o Senhor me ajude neste ano de 2022 a me preparar para me encontrar com ele.

Daniel Santos Jr.

Daniel Santos é pastor na IP Santo Amaro, em São Paulo, e professor do Centro Presbiteriano de Pós-graduação Andrew Jumper e do Seminário JMC.

Texto extraído de Servos Ordenados – Ano 10 – Nº 45. Publicado em 30/12/2014 por Daniel Santos Jr, https://danielsantosjunior.com.br/oito-resolucoes-para-2015/

Siga-nos

Acompanhe nossos perfis oficiais!